Páginas

terça-feira, 22 de junho de 2010

Campeões da fé: Lembre-se dos cristãos perseguidos quando assistir aos jogos da Copa do Mundo de Futebol




Você sabia que três países que participarão da Copa do Mundo fazem parte das nações que mais perseguem os cristãos?

Anualmente, a Missão Portas Abertas lança a Classificação de países por perseguição, lista que relaciona os 50 países mais intolerantes ao cristianismo. Dentre eles, estão a Coreia do Norte, Argélia e Nigéria, nações que ocupam o 1º, 25º e 27º lugares respectivamente.


A seleção brasileira estreia no mundial jogando contra a equipe norte-coreana no dia 15 de junho. Se não fôssemos cristãos, poderíamos pensar que essa é uma grande “coincidência”, mas ver nossa seleção - composta por jogadores que vivem em um país livre e não enfrenta perseguição religiosa severa - jogar contra a seleção que representa o país mais fechado ao Evangelho e pelo qual tanto oramos é muito “de Deus”.

Imagine se os atletas cristãos brasileiros tivessem a oportunidade de, com toda a sabedoria e direção do Espírito Santo, evangelizar os norte-coreanos. Será que não descobriríamos que alguns daqueles jogadores são cristãos secretos?

O jogador japonês Jong Tae-Se, naturalizado norte-coreano, cedeu uma entrevista à Sportv. Nela, ele disse que gostaria que as pessoas mudassem a opinião que têm a respeito de seu país. O interessante é que ele usava uma corrente com uma cruz, ou melhor, duas cruzes! Será que esse corajoso rapaz é cristão? Ou ainda que não seja, será que essa atitude não demonstra o desejo de que seu país seja menos rigoroso e as pessoas possam seguir sua fé de forma verdadeira?

O que temos acompanhado na mídia é que a delegação norte-coreana já criou várias proibições de aproximação entre a mídia e seus jogadores.

Os brasileiros poderão torcer e celebrar a partida, já a nação norte-coreana, não. O presidente, Kim Jong Il, decidiu que os jogos só passarão na TV estatal, porém não serão transmitidos ao vivo. Somente os melhores momentos dos jogos que o time vencer serão exibidos.

A Coreia do Norte ocupa a primeira colocação na Classificação há oito anos consecutivos. Ser cristão naquele país é uma experiência muito árdua. Caso seja descoberto, o cristão é enviado para campos de trabalhos forçados, onde são tratados de forma precária e muitos morrem de fome. Além disso, pode-se ser executado publicamente para que outros desistam de sua fé, ou ainda toda uma família pode ser dizimada, sendo ou não cristã.

Idolatria ao falecido pai do atual ditador da Coreia do Norte.

Todo cidadão norte-coreano é obrigado a usar um broche com a imagem de Kim Il-Sung, pai do atual presidente, além de curvar-se e pedir a bênção diante de sua estátua. Por todos os lados existem quadros e fotografias do líder, que é chamado de “grande pai”. Pela manhã, os microfones de Pyongyang, capital do país, tocam uma música lembrando o falecido presidente.

A escolha pela fé naquele país comunista e de grande repressão implica um alto preço. Porém eles continuam lutando e não desistem. Eles enfrentam as mais duras ameaças, mas o amor por Cristo é maior do que o medo da morte.

Quando nosso país estiver em campo com esses atletas, lembre-se de que milhares de norte-coreanos necessitam do amor de Deus. Além dos nossos irmãos que vivem sob condições difíceis de sobrevivência, toda a nação precisa da liberdade encontrada em Cristo.


Argélia

Já na Argélia, 99% da população é muçulmana. Apesar de haver milhares de cristãos argelinos, eles representam menos de 0,5% da população e se reúnem nos lares secretamente.

A nação está localizada no norte da África e é um dos maiores países do mundo. Lá, o testemunho cristão é proibido. Em 2006, o Decreto 6-3 restringiu os cultos não islâmicos. Ele proíbe qualquer ação que “incite, obrigue ou se utilize de meios indutivos objetivando a conversão de um muçulmano para outra religião, ou usando para esse fim (...) qualquer outro estabelecimento, ou recurso financeiro”.


Igreja transformada em biblioteca. Argel, capital da Argélia.

A punição para tais atividades é de dois a cinco anos de prisão e multa. Somente igrejas autorizadas pelo governo têm permissão para se reunir.

Entretanto, sob a lei civil, a conversão não é ilegal. Organizações missionárias são autorizadas a realizar atividades humanitárias sem a intervenção do governo, desde que não evangelizem muçulmanos. Conversões do islamismo ao cristianismo acontecem, embora sejam em pequena quantidade. Com frequência, trabalhadores cristãos são ameaçados e atacados por extremistas, muitos sendo martirizados.

Até o momento, nenhum cristão argelino foi sentenciado à prisão com base em acusações religiosas. Suspender as sentenças é uma forma de o governo argelino proteger-se de grupos de direitos humanos, mostrando-lhes que não há cristãos condenados nas cadeias. Os que estão sob julgamento, porém, ou apelando de suas sentenças, afirmam que essa publicidade negativa atrapalhou os negócios e a vida familiar.


Nigéria

A Nigéria, 27ª colocada na lista dos que mais perseguem os cristãos, além das diferenças étnicas, é uma nação dividida pela religião. No norte a maioria da população é muçulmana e no sul, cristã.

Constitucionalmente, a Nigéria é um Estado laico com liberdade religiosa. Durante quase 40 anos, o governo no norte deu tratamento preferencial a muçulmanos e discriminou os cristãos. Pouco foi feito para pôr um fim à perseguição e, como resultado, muitas igrejas foram queimadas e cristãos foram mortos.


Igreja destruída em ataque muçulmano em Jós, Nigéria.

Embora exista liberdade para evangelizar, há uma forte oposição dos muçulmanos contra os cristãos que procuram praticar esse ministério. A oposição islâmica já foi responsável pela morte de muitos mártires. Apenas entre 1982 e 1996, ocorreram mais de 18 conflitos de grande escala entre cristãos e muçulmanos no norte da Nigéria.

Tais conflitos deixaram um saldo de mais de 600 cristãos mortos e cerca de 200 igrejas incendiadas.

Ainda hoje, vários ataques contra os cristãos têm acontecido no país. Este ano, mais de 500 foram mortos. Muitas mulheres ficam viúvas, pois seus maridos, pastores, são mortos pelos extremistas e a elas fica a incumbência de cuidar da família.


Intercessão

Quando assistirmos os jogos da Copa este ano, devemos lembrar que milhões de cristãos em alguns dos países que participam do evento estão sendo perseguidos. Devemos interceder por seus governantes e autoridades.

A alegria desse evento não deve ser maior do que a alegria de sabermos que pessoas têm conhecido o Salvador e que nossos irmãos continuam firmes em sua fé.

Acesse http://www.portasabertas.org.br/DIP/dip_2010/pos.asp e faça download da Campanha de 30 dias de oração pelos três países mencionados neste texto. São 10 dias de intercessão por cada um deles.

Os cristãos da igreja sabem o que é ser parte de um time. Não fique apenas torcendo, entre no jogo!


Portas Abertas nos ofereceu este artigo,
com exclusividade, para a publicação no
Genizah Almanaque.

Encorajamos que você o reproduza
em seu blog ou site e divulgue:


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/#ixzz0raS9QiqZ
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

Nenhum comentário:

Postar um comentário