Páginas

segunda-feira, 9 de maio de 2011

1 JOÃO: A Diferença Entre o Verdadeiro e o Falso Cristão - Andando na Luz


TEMA: Andando na Luz

TEXTO: 1 João 1:5-2:2

- Contexto: Nos primeiros quatro versículos João trata sobre a divindade de Jesus, de Sua encarnação e nossa comunhão com Deus.

- Agora, o autor faz uma comparação entre a luz e as trevas, verdade e mentira.


I – DEUS É LUZ

* Deus é luz e não trevas. A luz significa a santidade de Deus enquanto que as trevas são o símbolo do pecado (Jo 1:4,5).

* Quando João afirma que Deus é luz, ele está destacando um dos mais importantes atributos de Deus, que Ele não compactua com o pecado (Is 59:2; Sl 5:4).

* O que é interessante destacar, é que a mensagem que os discípulos ouviram, quando ainda inconversos da parte do Senhor Jesus, é sobre a natureza de Deus (João 17:3).

* Deus, na maioria das vezes, quando se apresenta a alguém nas Escrituras, sempre revela um ou mais atributos:

- Moisés – Ex 3:1-5

- Isaías – Is 6:1-5

- Os 3 jovens na fornalha de fogo ardente – Dn 3:20-25

- E mesmo no Salmo 24:7

* Hoje em dia existe uma grande falta de conhecimento do Deus verdadeiro. Como quando Paulo esteve em Atenas (At 17:16-23).

* O objetivo de nossa pregação hoje deve ser a de levar os pecadores ao conhecimento de Deus, porque quando se apresenta o Deus das Escrituras, eles terão a mesma reação de Moisés diante dos atributos de Deus.

- EXÔDO 34:6-8 – “Passando, pois, o SENHOR perante ele, clamou: O SENHOR, O SENHOR Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; que guarda a beneficência em milhares; que perdoa a iniqüidade, e as transgressões e o pecado; que ao culpado não tem por inocente; que visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos e sobre os filhos do filhos até a terceira e quarta geração. E Moisés apressou-se, e inclinou a cabeça a terra, adorou”.

* Deus é pleno e não há variação nele (e.g. ing e iang). (Ml 3:6)

* Só podemos conhecer a Deus por Jesus, porque ele é a revelação de Deus aos homens, ele é a luz (Jo 1:14; 8:12; 12.46).

* O gnósticos dizem que Deus existe, mas Ele está muito longe de nós e por isso não podemos conhecê-lo, mas as Escrituras dizem o contrário, que Deus quer esse relacionamento e é possível termos (2Co 5:18-20).

- Depois de afirmar que Deus é luz, agora ele faz uma distinção entre:


II- A VERDADEIRA E FALSA COMUNHÃO – VV. 6-7

1. A Falsa Comunhão – v. 6

* Muitas pessoas pensam que conhecem a Deus e tem um relacionamento com Ele, mas na verdade, eles têm comunhão com o “deus” criado por suas mentes pecaminosas, e isto é idolatria (Ex 20:4).

* A principal marca de alguém que não tem um relacionamento com Deus é a falta de mudança em sua vida (e.g. Eu creio em Deus e continuo roubando, mentindo, me prostituindo, etc.) – EX: um ator de filme pornográfico (http://www.genizahvirtual.com/2010/04/kid-bengala-agora-e-gospel-e-evangeliza.html)

* Tais pessoas vivem uma mentira, blasfemam o nome de Deus e não O conhecem.

2. A Verdadeira Comunhão – v. 7

* Se andamos em conhecimento de Deus significa que nascemos de novo (Jo 3:3).

* A verdadeira comunhão com Deus começa quando somos feitos nova criatura (2Co 5:17).

* Andar na luz significa está em Cristo, no Caminho (Jo 14:6).

* O pecado nos impedia de nos aproximar de Deus, e ele foi removido por Jesus na Sua morte expiatória na Cruz por nós (2Co 5:21).


III. TER COMUNHÃO COM DEUS NÃO SIGNIFICA QUE NÃO ESTAMOS PROPENSO A PECAR – vv. 8-10

* É fato que não somos perfeitos, e não seremos enquanto habitarmos esse mundo pecaminoso, e se negarmos que não temos pecados somos mentirosos.

- O próprio apóstolo Paulo afirmou que tinha pecado.

ROMANOS 7:19-24 – “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já não faço eu, mas o pecado que habita em mim. Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meu membros. Miserável homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?”

* O que é pior em negar que temos pecados, é que confrontamos a Deus. Se eu perguntasse a você sobre isso, quem você me responderá que está com a verdade, Deus que nunca mente (Nm 23:19) ou o homem caído em pecados?

* E o que é mais importante é que quando negamos que temos pecado, provavelmente não temos Jesus, a Verdade (Jo 14:6).

* É por isso que devemos nos arrepender, confessar nossos pecados e Deus com certeza nos perdoará e nos purificará por Jesus.


CONCLUSÃO

* O outro objetivo pelo qual essa carta foi escrita, foi para que não pequemos, mas caso aconteça Jesus é por nós. Que ele morreu pelos nossos pecados e por aqueles que ainda não o conhecem, os Seus eleitos. – CAP 2:1-2.

* Devemos nos examinar e testar a nós mesmo segundo as Escrituras se de fato estamos na luz (2Co 13:5).

Nenhum comentário:

Postar um comentário