Páginas

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Como Está em Missão na Cidade - Stephen Um


Vamos considerar apenas uma parte dos fatos:

5.5 milhões de pessoas se mudam para as cidades todo mês – isso é o equivalente a uma nova Área da Baía de São Francisco sendo criada a cada 30 dias. (UN-HABITAT)

Nesse exato momento, há 23 megas cidades, com mais de 10 milhões de cidadãos. Em 2025, haverá 36 tais cidades. (UN)

Em 1900, apenas 14% da população mundial vivia em áreas urbanas. Os números eram 30% em 1950. Em 2011 o mundo se tornou 51% urbano. Em 2050, o mundo será aproximadamente 70% urbano. (PRB)

Em resumo, todos os sinais apontam para um futuro muito urbano.

O que precisamos saber afim de vivermos a fiel missão do evangelho nesse futuro urbano? Aqui estão o que acredito ser as cinco necessidades para a fiel missão do evangelho em um mundo urbanizado.

1. Esteja fundamentado no evangelho

A presença fiel do evangelho de Jesus na cidade depende do seu evangelho em si. Há grandes necessidades em sua cidade, e existem muitas pessoas fazendo trabalhos importantes, mas o evangelho em si será a única contribuição que você traz a sua cidade.

Mesmo que você se encontre trabalhando com finanças, artes, saúde, ministério vocacionado, ou algum outro campo, sua vida na cidade deve estar fundamentada e dirigida pelo evangelho da graça. O evangelho é o ser-tudo, o fim-tudo da vida do cristão no mundo urbanizado.

2. Aprenda a história de sua cidade

Toda cidade tem uma história, uma história que conta a abrangente sistema de crenças que conduz como a cidade funciona.

Você pode conhece a história de sua cidade da mesma forma que você viria a aprender a história de um vizinho: Fazendo perguntas. Ouvindo. Observando. Interagindo.

Quando você considera histórias, valores, sonhos, medos, mentalidade de sua cidade, uma abrangente linha histórica emergirá. Por exemplo, a história de Boston é a busca do conhecimento na educação. A história de Silicon Valley é a busca do sucesso através da inovação. A história de Washington D.C. é o poder através do governo.

Qual é a história de sua cidade?

Conhecê-la para que possa entender o abrangente sistema de crença com a qual o seu vizinho está trabalhando.

3. Se engaje na vida da sua cidade

A missão fiel ao evangelho num mundo urbanizado não é algo que você pode fazer no papel. Assim como o Israel exilado, somos chamados a “procurar a paz da cidade” na qual Deus tem nos colocado. Devemos “orar ao SENHOR por ela, porque na paz dela você encontrará a sua paz” (Jer. 29:7). Em outras palavras, devemos engajar na vida de nossa cidade.

Para o Israel exilado, isso incluía o trabalho cultural básico de construir casas, plantar jardins, colher, casar e gerar filhos (Jer. 29:5-6). Nossas cidades devem ser lugares onde colocamos nossas raízes e buscamos relacionamentos com nosso próximo para o bem da cidade.

4. Discina os ídolos de sua cidade

Todas as cidades são centros de adoração, e os habitantes urbanos são os adoradores mais apaixonados da terra.

A questão não é adoração, a questão são os falsos deuses que roubam nossa afeição, devoção, e louvor. É importante fazer perguntas como:

O que conduz a vida do meu próximo?”

O que é que aqueles que vivem em minha cidade não poderiam imaginar viver sem?”

O que, se lhes fossem tirados, traria minha cidade em seus joelhos?”

Uma fiel missão do evangelho significa que devemos nos entusiasmar em identificar os falsos deuses aos quais nosso próximo está atando suas esperanças. Amar meu próximo é pelo menos em parte sobre ajudá-los a deixar as mentiras que eles estão acreditando que os deixarão perpetuamente não satisfeitos.

5. Reconte a história de sua cidade com o evangelho

O evangelho não destrói a história de uma cidade, mas traz plenitude a ela.

Uma vez que você engajou em sua cidade e determinou a natureza dos ídolos dela, a chave é recontar a história de sua cidade de tal forma que os ídolos dela sejam encontrados esperando e as esperanças delas sejam vistas sendo completadas somente em Cristo.

Se sua cidade está edificada sobre o conhecimento, ela deve perceber o vazio de seu próprio conhecimento à luz da loucura da cruz de Cristo, “que se tornou para nós sabedoria de Deus” (1Co 1:30). Se sua cidade está edificada sobre o poder, ela deve perceber a fraqueza de seu próprio poder à luz daquele todo-poderoso que voluntariamente se entregou por nós, sem contar igualdade com Deus como algo que devesse se apegar (Fip 2:6-11). Quando os habitantes da cidade abandonam seus ídolos para adorarem o Deus do evangelho, a história da cidade encontra sua plenitude.

Há muito mais a ser dito sobre a missão fiel do evangelho em um mundo urbanizado, mas isso está muito claro: o mundo está se movendo para a cidade. A pergunta que deixamos no ar é, “Como cristãos respondem a isso?”


Fonte: The Resurgence

Traduzido por Wallace Alves

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Estude Sua Cidade - Alex Early


Uma inabilidade de interpretar os sinais dos tempos é... ser culpado do que podemos chamar de a “Grande Omissão.”
- Kevin Vanhoozer -

Everyday Theology: How to Read Cultural Texts and Interpret Trends (Teologia Todo Dia: Como Ler Textos Culturais e Interpretar Tendências).

Nos últimos anos, a palavra “missional” ganhou uma atenção muito particular. Contudo, definir missional pode ser um processo complicado. Por exemplo, essa semana tive uma conversa com um plantador de igreja aspirante que quer plantar uma igreja num bar no sul como eu fiz uns anos atrás. Ele tem lido, orado e pensado sobre o que um homem em missão parece. Vamos dizer que você está no mesmo barco também: estando convencido pela Escritura e convencido pelo Espírito Santo a ir em frente, profundamente inflamado em ver as pessoas perdidas, na sua vizinhança, bares, cafés, academias, loja de conveniências e escolas conhecendo a Jesus. Isso significa que você deve pensar como um missionário – um modo de pensar que exige tanto estudar a cultura que você se encontra inserido, quanto se engajar nela.

Para iniciantes, identificar as necessidades, os ídolos, a história da cidade deve se tornar parte de seu pensamento de rotina. Esse é o trabalho de preparação, e frequentemente o sucesso de seu ministério flui disso. Isso não quer dizer que Deus não pode te usar ou completar sua vontade ou que toda pressão está em você, mas o chamado para liderar é um chamado para se preparar. Um chamado para obedientemente fazer discípulos como Jesus ordenou (Mat. 28:18-20) é também um mandamento para focar no que está diante de você. Essa parte do trabalho pode ser realmente divertida! Muito disso pode ser feito usando um conceito pronto no seu vocabulário. Não, não são algumas palavras que teólogos constantemente debatem – i.g. Sublapsarianismo, nomismo variegada ou expiação substitutiva penal – em vez disso, é uma palavra simples, mas frequentemente observada: intencional.

CONHEÇA PESSOAS PARA ALCANÇAR PESSOAS

Todos os missionários (e se você é um cristão, você é um missionário) devem ser as pessoas mais intencionais do mundo. Fazer perguntas, estudar demografias, e fazer anotações de tendências ajudam fazer isso possível. Se você conhece intimamente a quem você quer alcançar, então estará melhor preparado para se comprometer efetivamente com o Evangelho de Jesus.

Como cristãos missionais, não queremos ser presos ao passado, falando de onde a cultura estava a dez anos atrás. Não queremos responder perguntas que ninguém está perguntando – precisamos ser relevantes hoje. Precisamos falar direto para pessoas reais num espaço real em um tempo real com perguntas reais. Precisamos prover razões informadas, temporais e bíblicas do porquê o que ou a quem eles estão adorando empalidece em comparação com o nosso Senhor Jesus.

O QUE VOCÊ PERCEBE?

Atos 17 nos dá uma visão incrível da chama vislumbrante dentro do coração do maior missionário de todos: o apóstolo Paulo. “o seu [de Paulo] espírito se revoltava em face da idolatria dominante na cidade... Então, Paulo, levantando-se no meio do Aeropago, disse: Senhores atenienses! Em tudo vos vejo...” (Atos 17:16,22)

Você vê? Paulo percebeu. Ele estava prestando atenção a onde ele estava. Ele estava totalmente presente. Ele não estava pensando sobre o posto de outro missionário que ele poderia servi, uma outra igreja que ele poderia plantar, ou qualquer outro lugar do mapa que ele poderia está. Ele estava totalmente presente, por isso, ele foi um missionário que percebia.

Você está presente no ministério ou no contexto que você está constantemente servindo, ou você está somente planejando e sonhando no dia que poderia ser assim?

Quais são os objetivos, valores e crenças de sua cidade?

Aqui estão algumas perguntas que nós, como cristãos missionais, devemos fazer:

O que está acontecendo em minha cidade?

Quem está movendo minha cidade?

Que construções estão sendo feitas em minha cidade?

Quais prédios estão sendo derrubados em minha cidade?

Quantas escolas existem em minha cidade?

Quantas pessoas moram em minha cidade?

Qual é a taxa de criminalidade de minha cidade?

Quais são os objetivos de minha cidade?

Quais são os valores de minha cidade?

Quais são as crenças na minha cidade?

Qual é a história de minha cidade?

A quanto tempo minha cidade existe?

Quais são os tempos e dias que minha cidade se torna viva?

O que as pessoas da minha cidade amam sobre a cidade?

O que as pessoas desprezam sobre minha cidade?

O que a mídia está dizendo sobre minha cidade?

Em que as pessoas da minha cidade colocam a esperança?

Quem machuca minha cidade?

Quem está sucedendo e desenvolvendo minha cidade?

Para os missionários de todo dia, as perguntas são intermináveis.

Bancários, atendentes de supermercados, cabeleireiros e trabalhadores de desenvolvimento de propriedades podem te dizer muito sobre o que você precisa saber sobre sua cidade, porque eles estão na cidade, trabalhando na cidade e até data do que está acontecendo na cidade.

Contudo, se você não sabe onde começar, você deve ir dá uma aparada no cabelo e praticar perguntando a pessoa que corta seu cabelo.

Amigo cristão, você está estudando sua cidade?


Fonte: The Resurgence


Traduzido por Wallace Alves

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

SOBRE O QUE DEUS TEM ME ENSINADO EM 21 ANOS DE VIDA


No dia 11 de Setembro de 1992 às 16:10h, na Clínica Roumié, em Belém do Pará, Sandra Alves estava dando à luz a mim:). Hoje quero compartilhar com vocês os que Deus tem me ensinado nesses 21 anos de vida (claro que muita dessas coisas só comecei a entender após me tornar cristão aos 14, já que a experiência em si não é invalida se não tiver a Palavra de Deus como plano de fundo!).
Sim, sou muito jovem, mas tenho percebido a graça de Deus envolvendo cada aspecto de minha vida e tenho aprendido muito. Não me considero maduro nos aspectos que o mundo define como maduro, e para falar a verdade, nem desejo esse tipo de maturidade porque ela é má e pecaminosa, "Não vos moldeis aos padrões desse mundo" (Rom 12:2), já que o que me importa é o que Deus diz em Sua Palavra o que maturidade significa e como ela se parece. Não estou dizendo que sou maduro totalmente nos padrões de Deus, pelo contrário, tenho certeza que ainda estou no começo dessa caminhada de transformação e amadurecimento em Cristo Jesus, mas tenho certeza que o Senhor tem começado a boa obra em mim (Fp 1:6). Por isso quero dividir com vocês algumas dessas coisas que tenho aprendido:
1- Que sou um pecador por natureza e escolha. Que nasci corrompidamente mal por causa de Adão, e isso significa que todos os desejos do meu coração eram totalmente maus, que até o que eu pensava que era bom, na verdade era mau, porque no fundo escondia razões egoístas e não traziam glória a Deus.
2- Que a vida é curta. Que mesmo se eu chegar em uma idade avançada ela será curta comparada a eternidade.
3- Que Deus me projetou para viver eternamente. Meu modo de vida, minhas escolhas e decisões devo colocar à luz da eternidade já que a vida é curta. Isso me ajuda a ponderar mais sobre o que fiz, faço ou farei durante minha vida aqui.
4- Que Deus é a verdadeira fonte e centro de tudo que é bom. Isso é transformador, já que vivemos num mundo que tudo é bom menos Deus, onde existem muitas fontes de satisfação, que são enganosas, porque se mostram boas durante um tempo, mas que depois nos destroem.
5- Que o mundo é idiota em toda sua sabedoria e que a verdade de Deus é infinitamente mais sábia que tudo e todos. Quando fiquei mais consciente a respeito do Livro de Deus descobri quanta bobagem eu acreditava, e o quanto muitos se acham sábios por causa de sua experiência de vida e acabam sem tolos. Conhecer a Palavra de Deus tem me proporcionado uma vida de conselhos melhores (claro, sem desprezar o conselhos dos mais velhos desde que haja algum fundamento na Bíblia, já que a experiência em sim não significa nada sem alguma crença anteriormente envolvida. "Sou mais prudente que os idosos, porque guardo os teus preceitos" (Sl 119:100)
6- Que uma vida com propósito é uma vida com Deus. Já que Deus é meu Criador e sabe exatamente o que preciso para viver uma vida completa: eu preciso Dele. E é sábio viver a vida que meu Deus projetou para que eu vivesse, já que de outra forma seria como se estivesse tentando colocar um quadrado onde só encaixa um círculo. Não funcionaria. Então uma vida com propósito é viver para glória de Deus, nos padrões que Ele estipulou mesmo que isso envolva muita renúncia.
7- Que minha identidade não deve está no mundo, nem no pecado, nem no diabo, mas em Jesus. Isso significa que minha satisfação não deve se encontrar em qualquer outra coisa, mesmo que seja boa, mas unicamente no Senhor Jesus, caso contrário é idolatria. Isso é muito significativo para mim em minha luta contra o orgulho e outros pecados, de que sou não o que eles me dizem que sou, mas o que Deus diz que sou em Cristo.
8- Que uma vida de dedicação a Deus é marcada por arrependimento genuíno. Quando percebemos nosso pecado e falhas que temos diante de Deus primeiro e dos outros e não nos arrependemos é um mau sinal, talvez de um coração não regenerado, mas se o Espírito Santo nos convence de pecado e nos arrependemos abandonando o pecado e se voltando para Deus é um bom sinal: sinal de crescimento. Isso é muito válido para nos avaliarmos em nossa caminhada com Deus. O arrependimento trás consigo o querer consertar os erros cometidos, logo se alguém realmente se arrepende vai tentar reparar os erros cometidos. Que nesse aspecto me ajude dia a dia!
9- Que família é dom de Deus. E percebo o quanto devo dar valor a ela, honrando-a, sendo um canal de bençãos de Deus a ela. Oferecendo o que ela realmente precisa de mim, isto é: a semelhança de Jesus Cristo.
10- Que amigos são dons de Deus. Deus tem me ensinado a preservá-los, servindo-os e ajudando-os. Que o Senhor me ajude a cuidar e valorizar essas pessoas.
11- Que é melhor obedecer do que sacrificar. Muitas coisas eu perdi por desobedecer a Deus, e isso inclui relacionamento, amizades, etc., depois tentei reparar, mas não consegui, muitas coisas que me machucam até hoje. O melhor é sempre obedecer a vontade de Deus e evitar algumas frustrações.
12- Que devo olhar o mundo segundo Deus, não segundo o mundo. Com isso quero voltar a importância e valor das Escrituras Sagradas. Pensar desse jeito é uma luta desde que a cultura mundana insiste que andemos segundo o seu padrão, mas o Senhor Deus nos transforma e nos capacita a olhar o mundo segundo Ele. Com isso friso a necessidade do estudo das Escrituras e não seremos destruídos juntos com o mundo.
13- Que o verdadeiro sentido da humildade está em ser útil. Isso tem sido muito prático, já que para muitos ser humilde é ser omisso ou passivo. A Bíblia nos ensina que ser humilde ou ser o menor é servir os outros em amor e submissão a Deus; significa se dispor a fazer não somente esperar; é observar onde há necessidade e tentar suprir.
14- Que devo construir um legado de verdademe casar com uma linda filha de Deus para amá-la como Jesus amou a igreja e se entregou por ela, ter filhos que temam ao Senhor e que tenha filhos que amem a Jesus e que continue isso nas gerações seguintes.
15- Que porque Jesus vive eu vivo para Jesus. Todos os outros pontos poderiam ser reunidos nesse último que é: porque Jesus morreu por mim, eu morro para o mundo; e porque ele ressuscitou dos mortos, eu vivo para ele em novidade de vida. Tudo isso por causa do seu amor que nos constrange. Nossa vida pode ser mudada porque ele está vivo.
Durante esses vinte e um anos Deus te me mostrado que minha vida deve ser tudo sobre Jesus. Espero que o Senhor continue me concedendo graça todos os dias enquanto eu vive. E sou grato a Ele por mais um ano de vida e principalmente porque estou com Ele.


Soli Dei Gloria!

Por Wallace Alves